O mundial de Ironman é a competição mais esperada pelos triatletas. Além dos grandes Prêmios, a motivação e a oportunidade de competir em um cenário tão lindo quanto Kona, no Havaí, são únicos.

 

O Ironman, em português, “homem de ferro”, é uma prova de resistência, na qual os triatletas devem nadar, pedalar e correr. Em uma entrevista a Globo, Fernanda Keller, triatleta, disse “O Ironman do Havaí é mais difícil que outras provas por vários aspectos. Primeiro porque é uma prova que seleciona os melhores atletas do mundo para participar, então você vai competir com o que tem de melhor no mundo. As condições são muito adversas, o mar pode estar com onda ou não, pode ter corrente. O vento aqui é inacreditável, […] às vezes o vento é tão forte que quase derruba as pessoas da bicicleta e você tem que fazer uma força muito grande contra para ter que pedalar contra o vento. […] Correr, nadar e pedalar nesse calor é um desgaste muito grande, acaba realmente sendo um grande teste físico e mental. Você tem que se superar o tempo inteiro para conseguir chegar. Imagina competir e ficar entre os melhores do mundo?”.

 

A prova consiste em 3,8km de natação no mar, com tempo máximo de 2 horas e 20 min para concluir esta etapa; 180km de ciclismo lutando contra o vento, com o tempo limite de 20 horas e 30 minutos e mais 42,2km de corrida percorridos em até 17 horas.

 

Este ano, o mundial do Ironman em Kona completa 40 anos, além disso, a cidade teve o orgulho de sediar a competição desde a primeira edição em 1978. Dos 10 mil habitantes da ilha, 5 mil se voluntariaram para permanecer a tradição local.

 

A Teo Esportes teve a oportunidade de participar com uma de suas alunas, Cláudia Dumont. Veja o depoimento dele sobre a experiência:

 

“O evento foi realizado dia 13 de outubro na Ilha de Kona, Hawaii/USA. A prova que conta com a elite do triathlon mundial teve neste ano 2500 atletas. Para participação exige classificação nos eventos da marca Ironman. O grande desafio de todo atleta é superar calor, vento e percurso principalmente durante a bike e corrida.

 

A edição deste ano não foi diferente. A natação, 3,8 km, com largadas elite masculina, feminina e logo após os amadores, têm sempre um desafio para os atletas amadores, devido a quantidade grande de inscrições numa única largada, separando apenas sexo. Com uma estrutura impecável de transição, acesso a área e sacolas de uso, a quantidade de inscritos não interfere o atleta em suas ações.

 

O pedal, uma volta de 180 km, começa os primeiros kms muito perto do público e logo, logo todos atletas estão pedalando na estrada e enfrentando vento, calor e altimetria. A corrida, 42 km, tem como percurso igual da bike com sua distância específica. Também, são os mesmos desafios do pedal, isto já num horário de um sol muito mais forte. Mas tudo é válido, principalmente pelo barulho que a torcida faz nos kms iniciais e na chegada da prova.

 

Com certeza o que faz Kona ser isto tudo, são estas buscas de superação, gestão de momentos ruins e saber lidar com isto. Uma prova que com um bom planejamento de treinos, o lado psicológico e nutricional tem que estar na mesma linha do físico.

 

Tivemos nesta edição a participação da nossa aluna Claudinha. Conseguiu classificação no Ironman Florianópolis 2018, sua segunda prova na distância e terminando campeã da categoria. Estreante em Kona, a nossa atleta teve uns primeiros dias de muita expectativa, um pouco assustada principalmente com o calor. Mas com alguns treinos de adaptação, conversas com vários atletas do mundo, tudo vai mudando. Foi para a prova muito determinada com um planejamento de ritmo por modalidade. Já no início, mostrou um pouco, sendo a terceira melhor natação da categoria na prova. O pedal que ela tem sempre um pouco mais de dificuldades, são apenas 3,5 anos de prática perdeu algumas colocações, terminando em 17º lugar. A corrida que já treina há 13 anos, começou muito determinada no ritmo. Com uma cabeça e concentração incrível, foi vencendo e superando todas dificuldades. Terminou a corrida, fazendo o segundo melhor tempo do mundo categoria e fechou a prova numa colocação incrível de sexto lugar do mundo. E o tempo, também, na sua terceira participação na distância Ironman e como todas dificuldades, resultado final 10:00:47 hs.

 

Como atleta brasileira recebeu a premiação de melhor natação e corrida feminina Brasil. Com certeza, momentos que ficarão marcados para sempre e aquele gostinho de quero voltar. Novo ciclo se inicia e vamos em busca dos nossos sonhos!.”